Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/1004
Título: Classificação dos domicílios “indígenas” no Censo Demográfico 2000: subsídios para a análise de condições de saúde
Autor(es): Marinho, Gerson Luiz
Santos, Ricardo Ventura
Pereira, Nilza de Oliveira Martins
Afiliação: Enfermeiro–epidemiologista, professor assistente do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública, Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEAN/UFRJ)
Antropólogo, pesquisador titular da Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e professor associado do Departamento de Antropologia, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Estatística, Diretoria de Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Resumo: A caracterização dos domicílios nos levantamentos censitários, que inclui as condições de habitação, saneamento básico, entre outros aspectos, juntamente com o perfil socioeconômico dos moradores, é de grande importância em análises sobre condições de saúde. No Brasil, acumulam-se evidências de que os povos indígenas apresentam desigualdades importantes em relação a outros segmentos da sociedade, com taxas de morbimortalidade em geral mais pronunciadas. Com base nos microdados do Censo Demográfico 2000, este trabalho analisa as frequências de domicílios cujos responsáveis se autoclassificaram “indígenas” e que residiam em domicílio coletivo ou improvisado na área rural dos municípios brasileiros. Para essas duas possibilidades de classificação, não são investigadas as características dos domicílios. Na análise para os grupos de cor/raça, os “indígenas” foram os que tiveram as maiores proporções de domicílios coletivos, mais frequentes no Centro-Oeste, especificamente em Mato Grosso. As frequências de domicílios “improvisados indígenas” também foram superiores aos de não-indígenas, incluindo “brancos”, “pretos” e “pardos”. Ao contrário dos coletivos, domicílios improvisados “indígenas” ocorreram em diferentes regiões do Brasil, com destaque para municípios na macrorregião Sul e em Mato Grosso do Sul. Para os municípios localizados fora da Amazônia Legal, onde em geral as Terras Indígenas apresentam pequenas dimensões, houve 1,5 mais domicílios “indígenas” classificados como improvisados do que na Amazônia Legal. Argumenta-se que, em parte, as mais elevadas frequências de domicílios coletivos “indígenas” devam-se a problemas de classificação por parte do Censo, já que as sociedades indígenas apresentam morfologias sociais e familiares próprias. As análises indicam a necessidade de aprimorar a forma de captação dos dados sobre as características domiciliares dos “indígenas” no âmbito dos levantamentos conduzidos pelo IBGE. Somente com a geração de informações considerando a diversidade étnica existente no Brasil será possível diminuir a “invisibilidade demográfica e epidemiológica” dos povos indígenas e, consequentemente, enfrentar as desigualdades em saúde
Palavras-chave: Brasil
Índios Sul-Americanos
Região Norte
Saúde de Populações Indígenas
Região Centro-Oeste
Região Sul
Região Sudeste
Demografia
Censos
IBGE
Desigualdades em Saúde
Sistemas de Informação em Saúde
Data do documento: 2011
Editor: Associação Brasileira de Estudos Populacionais
Referência: MARINHO, Gerson Luiz; SANTOS, Ricardo Ventura; PEREIRA, Nilza de Oliveira Martins. Classificação dos domicílios “indígenas” no Censo Demográfico 2000: subsídios para a análise de condições de saúde. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 28, n. 2, p. 449-466, 2011.
DOI: 10.1590/S0102-30982011000200012
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:DCS - Artigos de Periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
450035050.pdf760.88 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.