Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/1015
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorTeixeira, Carla Costa-
dc.date.accessioned2019-09-10T14:27:27Z-
dc.date.available2019-09-10T14:27:27Z-
dc.date.issued2010
dc.identifier.citationTEIXEIRA, Carla Costa. Autonomia em saúde indígena: sobre o que estamos falando?. Anuário Antropológico, n. I, p. 99-128, 2010.en_US
dc.identifier.issn0102-4302-
dc.identifier.urihttp://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/1015-
dc.description.abstractAtravés do escrutínio das Conferências Nacionais de Saúde Indígena o artigo mapeia os diferentes sentidos da autonomia enquanto uma ideia valor que surge no campo da saúde indígena como consensual entre todos os sujeitos que o compõem. Logra por tal procedimento propor um contínuo semântico no qual as estratégias políticas operam deslocamentos e combinações contextualizadas entre a autonomia indígena entendida como (i) irredutibilidade da diferença; (ii) parceria e participação protagonista; (iii) e controle da gestão em saúde indígena nos termos de decisão e supervisão do processo. Não se observando como prioridade até o momento o controle direto da gestão da saúde indígena, o eixo de ação dos povos indígenas em saúde no Brasil, diferente do que vem ocorrendo no Canadá, tem sido o da cidadania e não o do autogoverno. Contribuir para a compreensão dos limites e possibilidades desta trajetória na saúde indígena brasileira é ambição maior destas reflexões que, ao final, trazem considerações sobre o principal mecanismo de exercício de cidadania indígena (e não indígena) no campo da saúde pública, ou seja, sobre o “controle social” e sua ambivalência no manejo das categorias de “usuários” e “representantes” indígenas., This article maps out the various meanings of indigenous autonomy – a value idea that seems consensual among all subjects within the Brazilian indigenous health field throughout the final reports of National Conferences of Indigenous Health. In this way, it puts forward a semantic continuum, in which political strategies are defined in context through arrangements and displacements of the following meanings of indigenous autonomy: (i) irreducible diversity; (ii) partnership and participation with protagonism; and (iii) control of indigenous health management via decision making and supervision of processes. Considering that up to then the direct control of indigenous health management it is not a priority, the action axis of Brazilian indigenous peoples in health has been the citizenship and not the self-government different from what has happen in Canada. To contribute for the understanding of limits and possibilities of this course of action in the Brazilian indigenous health is the broader aim of these reflections, which conclude with considerations on the main mechanism of indigenous (and non-indigenous) citizenship in the public health, i.e., the “social control” and its ambivalence in relation to the categories of “users” and indigenous “representatives”.en_US
dc.language.isopor-
dc.publisherPrograma de Pós-Graduação em Antropologia Social (UnB)en_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.otherBrasilen_US
dc.subject.otherÍndios Sul-Americanosen_US
dc.subject.otherSaúde de Populações Indígenasen_US
dc.subject.otherServiços de Saúde do Indígenaen_US
dc.subject.otherAtenção Diferenciadaen_US
dc.subject.otherPesquisa Qualitativaen_US
dc.subject.otherAntropologia da Saúdeen_US
dc.subject.otherSubsistema de Atenção à Saúde Indígenaen_US
dc.titleAutonomia em saúde indígena: sobre o que estamos falando?en_US
dc.typeArticleen_US
dc.creator.affilliationUniversidade de Brasília. Brasília, DF, Brasil.en_US
dc.identifier.doi10.4000/aa.789-
Appears in Collections:PSSI - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
612308374.pdf527.53 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.