Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/1233
Título: Avaliação de atividades de controle para enteroparasitos em uma aldeia Kaingáng do Paraná
Autor(es): Toledo, Max Jean de Ornelas
Paludetto, Andrey Wilder
Moura, Fabiana de Toledo
Nascimento, Evaldo Silva do
Chaves, Marta
Araújo, Silvana Marques de
Mota, Lúcio Tadeu
Afiliação: Universidade Estadual de Maringá. Departamento de Ciências Básicas da Saúde. Maringá, PR, Brasil
Universidade Estadual de Maringá. Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Maringá, PR, Brasil
Universidade Estadual de Maringá. Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Maringá, PR, Brasil
Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Maringá, PR, Brasil
Universidade Estadual de Maringá. Departamento de Teoria e Prática da Educação. Maringá, PR, Brasil
Universidade Estadual de Maringá. Pós-Graduação em Ciências da Saúde. Maringá, PR, Brasil.
Universidade Estadual de Maringá. Departamento de História. Maringá, PR, Brasil
Resumo: OBJETIVO: Analisar o estado parasitológico de famílias de comunidade indígena após instituição de medidas de controle para enteroparasitos. MÉTODOS: Estudo longitudinal realizado entre 2004 e 2006 com 447 pessoas da etnia Kaingáng, no município de Cândido de Abreu, PR. As medidas de controle de enteroparasitos foram: melhorias sanitárias em 2003, tratamentos antiparasitários realizados durante o período de estudo e atividades de educação em saúde iniciadas em 2005. Foram obtidos indicadores parasitológicos de saúde em três inquéritos coproparasitológicos em 2004, 2005 e 2006 quando foram coletadas 250, 147 e 126 amostras de fezes, respectivamente. Foram utilizados os métodos de sedimentação espontânea, centrífugo-flutuação e Kato/Katz. As condições de moradia e higiene foram determinadas utilizando-se questionário aplicado a 69 (2004), 57 (2005) e 38 (2006) das 90 famílias. RESULTADOS: As prevalências totais de enteroparasitos de 2004-06 foram, respectivamente: 91,6%, 94,6% e 87,3%, sem redução significativa. A prevalência de algumas espécies reduziu enquanto que a de outras aumentou significativamente. As infecções de alta intensidade por geoelmintos apresentaram taxas menores de 2% no período do estudo. Houve aumento nas taxas de entrevistados que relataram usar o banheiro (p<0,005) de 38,8% para 71,1% e ter tomado antiparasitário (p=0,001) de 70,2% para 100,0%. CONCLUSÕES: Houve melhora significativa de indicadores parasitológicos de saúde da população como a redução na prevalência de algumas espécies de enteroparasitos, além da manutenção de baixa carga parasitária, mostrando a importância de se associar o tratamento antiparasitário às melhorias sanitárias.
Palavras-chave: Índios Sul-Americanos
Atenção Primária à Saúde
Enteropatias Parasitárias
Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Paraná
Região Sul
Kaingang
Kaingáng
Fatores de Risco
Condições Socioeconômicas
Doenças Infecciosas e Parasitárias
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
Enteropatias Parasitárias
Atenção à Saúde
Fatores de Risco
Doenças Infecciosas
Doenças Parasitárias
Classe Social
Data do documento: 2009
Editor: Revista Saúde Pùblica
Referência: TOLEDO, Max Jean de Ornelas. et al. Avaliação de atividades de controle para enteroparasitos em uma aldeia Kaingáng do Paraná. Revista de Saúde Pública, São Paulo v. 43, n.6 , p. 981-990, 2009.
DOI: 10.1590/S0034-89102009005000083
ISSN: 0034-8910
0034-8910
1518-8787
Fonte da publicação anterior: 10.1590/S0034-89102009005000083
0034-8910, 0034-8910, 1518-8787
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:DIP - Artigos de Periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
889925389.pdf343.52 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.