Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/4393
Title: Maternidade e transmissão cultural: O que os Guarani, residentes na periferia da capital paulista têm a dizer
Advisor: Adorno, Rubens de Camargo Ferreira
Authors: Azevedo, Marcus Augusto Pinto de
Affilliation: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo, SP, Brasil
Abstract: Este estudo tem por objetivo compreender o significado da Maternidade para os Guarani-Mbyá, residentes da Aldeia Morro da Saudade, localizada na zona sul de São Paulo, região de Palrelheiros, portanto vivenciando cotidianamente peculiaridades próprias da periferia de uma grande metrópole. Entre as mudancas, registraram-se contradições relativas ao casamento precoce, apontado pela população mais velha como um comportamento cada vez mais freqüente entre os jovens, os quais revelaram - por sua vez - ter outras perspectivas em lugar da opção imediata pelo casamento tradicional. Entre as novas opções, salientaram estudar, trabalhar e namorar, seguindo padrões semelhantes aos praticados pela população “nãoíndia”. A contracepção, enquanto decisão consciente, apresentou posturas contraditórias. Os mais velhos preconizam o uso das ervas tradicionais e os rituais adotados pela cultura Guarani-Mbyá, enquanto os mais jovens mostram-se cada vez mais predispostos a adotar os contraceptivos utilizados pelos brancos, alegando serem de fácil acesso e “confortáveis”: seu uso não requer dietas alimentares e outros rituais rigorosos. Mulheres apontaram as práticas antigas como empecilho para a adesão aos métodos tradicionais da cultura. Planejar a família foi apontado por mulheres mais jovens como prática que parece cada vez mais regular no âmbito de sua vida reprodutiva. A dificuldade de sobrevivência financeira foi apontada como um fator relevante para esta opção. Há indícios de mudanca, uma vez que a tradição Guarani tem na prole numerosa o seu padrão família. O parto hospitalar foi apontado pela geração mais velha como crescente entre mulheres jovens. Estas alegaram insegurança e medo do parto natural, realizado na Aldeia e inserido nas práticas tradicionais da cultura, para justificar a nova opção. Resta saber até que ponto essa escolha não sofre influência do contato com mulheres não-índias, que vivem no entorno da aldeia e adjacências. A discussão destes e de outros resultados levou em conta, também, os achados expressos na literatura, bem como a bibliografia sobre organização social e saúde reprodutiva dos povos indígenas do Brasil.
Keywords: São Paulo
Região Sudeste
Guarani
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
Maternidade
Issue Date: 2004
Citation: AZEVEDO, Marcus Augusto Pinto de. Maternidade e transmissão cultural: O que os Guarani, residentes na periferia da capital paulista têm a dizer. 2004. 118 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, São Paulo, 2004
metadata.dc.degree.date: 2004
Place of defense: São Paulo/SP
metadata.dc.degree.department: Faculdade de Saúde Pública
Defense institution: Universidade de São Paulo
Program: Programa de Pós Graduação em Saúde Pública
Copyright: open access
Appears in Collections:TR - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
457228323.pdf2.19 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.