Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/4397
Título: Morbidade hospitalar indígena Guarani no Sul e Sudeste do Brasil
Título(s) alternativo(s): Hospital Morbidity among Guarani Indians in Southeastern and Southern Brazil
Autor(es): Cardoso, Andrey Moreira
Coimbra Junior, Carlos Everaldo Alvares
Tavares, Felipe Guimarães
Afiliação: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Resumo: Estudos sobre morbidade hospitalar em povos indígenas no Brasil são relativamente recentes, restritos quanto à cobertura e carecem de fontes de dados capazes de gerar indicadores por etnia. Esse estudo descreve a morbidade hospitalar indígena na população residente em 83 aldeias Guarani no Sul e Sudeste do Brasil (N = 6.483), a partir de dados primários obtidos em um sistema de vigilância de hospitalizações implantado em 2007/2008, especificamente para um estudo caso-controle sobre infecção respiratória aguda (IRA) em crianças Guarani. No período, ocorreram 666 hospitalizações concentradas em 497 indivíduos, sendo a maioria em < 5 anos (71,9%). As doenças respiratórias foram as principais causas de hospitalização (64,6%), sobretudo em crianças (< 5 anos: 77,6%; < 1 ano: 83,4%), superando as magnitudes das proporções de hospitalização por essas causas em outros grupos indígenas. A taxa de hospitalização (por 100 pessoas-ano) global foi de 8,8, correspondendo a 71,4 em < 1 ano e a 21,0 entre 1 e 4 anos. A taxa de hospitalização por IRA (5,3) superou em 6,5 e 2,0 vezes àquelas por diarréia e por demais causas, enquanto em < 5 anos (IRA = 23,7), essas razões de taxas foram de 7,4 e 5,4, respectivamente. A taxa padronizada de hospitalização Guarani superou as taxas padronizadas das regiões Sul e Sudeste em 40% e 210%, respectivamente. As hospitalizações marcadas por condições sensíveis à atenção primária e a magnitude das IRA indicam que, além de estudos para compreender a epidemiologia das IRA, são necessários investimentos na qualificação da atenção primária à saúde Guarani
Palavras-chave: Região Sul
Região Sudeste
Morbidade
Guarani
Infecção Respiratória
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
Pneumonia
Doenças Respiratórias
Hospitalização
Data do documento: 2010
Editor: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Referência: CARDOSO, Andrey Moreira; COIMBRA JUNIOR, Carlos Everaldo Alvares; TAVARES, Felipe Guimarães. Morbidade hospitalar indígena Guarani no Sul e Sudeste do Brasil. Rev Bras Epidemiol, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 21–34, 2010.
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:TR - Artigos de Periódicos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
432776007.pdf317.33 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.