Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/4412
Título: Perfil Sanitário, indicadores demográfico de saúde ambiental após a implantação do Distrito Sanitário Especial Indígena: O caso dos Xakriabá em Minas Gerais.
Orientador: Heller, Léo
Autor(es): Pena, João Luiz
Resumo: Este estudo visa avaliar o impacto sobre a saúde da população Xakriabá, resultante de suas atuais condições de saneamento, determinadas por intervenções realizadas pelas instituições responsáveis pela saúde indígena no Brasil, e de suas práticas higiênicas. Conceito importante explorado no estudo é o da resistência ou não às soluções tecnológicas pela sociedade Xakriabá, considerando a reconhecida dificuldade de sintonização entre as intervenções aplicadas e a sua apropriação cultural, problema que, se é freqüente em populações não indígenas, muito possivelmente é mais importante ainda nessas populações. Pela natureza do problema, além de técnicas quantitativas, foi empregado método qualitativo para apreensão da relação entre saneamento e higiene, de um lado, e a saúde da população, de outro. Verificouse que no período analisado pelo estudo, anos de 2000 a 2002, apesar da FUNASA, por meio do Distrito Sanitário Especial Indígena de Minas Gerais e Espírito Santo (DSEI-MG/ES), estar atuando na Terra Indígena Xakriabá, as condições sanitárias desta sociedade indígena não são satisfatórias, principalmente de suas crianças. Elevada prevalência de doenças endêmicas como a verminose, altas taxas de incidência de diarréia e doenças infecciosas de pele, acentuadas taxas de mortalidade infantil e más condições de saneamento e de habitação fazem parte do cotidiano deste povo. O fracasso em atender as necessidades de saúde, tanto pelo setor biomédico quanto pelo setor de saneamento, resulta de uma estrutura burocrática/administrativa confusa e fragmentada e pela ausência de definição de competências e responsabilidades no planejamento, execução, fiscalização e avaliação dos serviços de saúde, além do reduzido quadro de recursos humanos sem qualquer experiência, qualificação técnica ou interesse anterior em relação à questão indígena. Além disso, as intervenções na área de saúde estão sendo realizadas sem o conhecimento da cultura dos Xakriabá e os profissionais acabam realizando suas práticas sem reconhecer como a especificidade cultural do grupo influencia o êxito de seu trabalho. Mesmo constatando a atuação limitada e, por vezes, deficiente do setor de saneamento na terra indígena, a associação entre a percepção indígena sobre o processo saúde-doença e seus hábitos de higiene com os resultados das análises da água de beber oriundas de poços profundos, parece corroborar o estudo de Briscoe (1987) que indica serem os serviços de saneamento condições necessárias, porém não suficientes para promover a melhoria da saúde.
Palavras-chave: Índios Sul-americanos
Minas Gerais
Distrito Sanitário Especial Indígena
Região Sudeste
DSEI Minas Gerais e Espírito Santo
Xakriabá
Saúde de População Indígenas
DeCS: Saúde de Populações Indígenas
Brasil
Serviços de Saúde do Indígena
Indicadores Demográficos
Perfis Sanitários
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Minas Gerais
Referência: PENA, João Luiz. Perfil Sanitário, indicadores demográfico de saúde ambiental após a implantação do Distrito Sanitário Especial Indígena: O caso dos Xakriabá em Minas Gerais. 2004. 207 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004
Programa: Programa de Pós Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos
Aparece nas coleções:DCS - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
600007676.pdfPerfil Sanitário, indicadores demográficos e saúde ambiental981.99 kBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.