Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/4460
Title: Índios, Jesuítas e Bandeirantes: Medicinas e doenças no Brasil dos séculos XVI e XVII
Advisor: Almeida, Eros Antônio de
Authors: Gurgel, Cristina Brandt Friedrich Martin
Co-advisor: Lewinsohn, Rachel
Affilliation: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. Campinas, SP, Brasil
Abstract: Isolados durante milhares de anos, os indígenas não desenvolveram imunidade diante de vírus e bactérias originários de outros continentes. Apesar de seu habitat não ser destituído de uma grande variedade de moléstias (dentre elas o pian, a leishmaniose cutânea e a doença de Chagas), no contato com o colonizador, a deficiência de resposta imune Th2 para micro-organismos autóctones causou verdadeiras tragédias entre os brasilíndios, que sucumbiam por gripes, sarampo, disenterias e principalmente varíola. Médicos formados constituíam um grupo insignificante no Brasil colonial e diante do vazio profissional, jesuítas (os primeiros que se lançaram nas práticas médicas), curiosos, curandeiros, barbeiros, benzedeiras compunham um contingente expressivo. Todos praticavam uma medicina híbrida, formada inicialmente pela medicina popular européia e indígena; ambas possuíam uma noção materializada da doença que, uma vez instituída, deveria abandonar o organismo. Diante disso, a terapêutica baseava-se em sangrias, purgas e vomitórios, além de rituais, rezas e uso de amuletos para satisfazer o sobrenatural. Estas práticas médicas concomitantemente valeram-se da variada flora medicinal nativa e foram difundidas pelos bandeirantes, que desbravavam os sertões de norte a sul – por este motivo esta terapêutica foi denominada “Remédios de Paulistas” – e foi usada para diversos males como opilação (anemia), escrófulas, “carneiradas” (malária) e “meia-cegueira” (tracoma?), comuns nas matas e vilas incipientes. Nenhuma das medicinas, erudita ou popular – que na realidade eram muito semelhantes entre si – foi eficaz diante das epidemias. A despeito de serem os indígenas suas principais vítimas, elas matavam de senhores de engenho a escravos, faziam ruir a economia e causavam fome e desalento. Falências, crescentes dívidas para importar escravos africanos (mais caros, porém mais resistentes às doenças) constituíram por muitos anos um quadro sombrio da vida no Brasil. Num círculo cruel de causa e efeito, os escravos negros substituíram gradativamente o trabalho indígena nas lavouras, mas trouxeram mais doenças, como o maculo, a febre amarela, a malária (por P. falciparum) e a própria varíola. As tentativas indígenas na defesa de seu território resultaram em fracasso; a morte, na grande maioria das vezes, foi causada direta ou indiretamente pelas doenças infecciosas de além-mar e não por canhões e arcabuzes. Assim, na falta de uma imunidade eficaz, as guerras contra os colonizadores já estavam vencidas, antes mesmo de iniciadas.
Keywords: Brasil Colonial
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
História da Medicina
Issue Date: 2009
Citation: GURGEL, Cristina Brandt Friedrich Martin. Índios, Jesuítas e Bandeirantes: Medicinas e doenças no Brasil dos séculos XVI e XVII. 2009. 194 f. Tese (Doutorado em Clínica Médica). Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, 2009
metadata.dc.degree.date: 2009
Place of defense: Campinas
Defense institution: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas
Program: Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica
Copyright: open access
Appears in Collections:TR - Teses de Doutorado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
737966915.pdf1.23 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.