Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/5075
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorSouza, Rosaldo de Albuquerque-
dc.date.accessioned2021-11-05T11:57:25Z-
dc.date.available2021-11-05T11:57:25Z-
dc.date.issued2011-
dc.identifier.citationSOUZA, Rosaldo de Albuquerque. Educação sexual na visão dos professores indígenas do ensino fundamental em uma escola de Dourados. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 5, n. 3, p. 181-206, jul./dez. 2011en_US
dc.identifier.issn1982-6524-
dc.identifier.urihttp://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/5075-
dc.description.abstractUma grande parcela da população brasileira é constituída de adolescentes, idade compreendida dos 12 aos 19 anos. Nesse período da vida do ser humano, ocorrem diversos fatores comportamentais envolvendo a sexualidade que intrigam muitos pesquisadores, professores e pais. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), a Educação Sexual deve ser trabalhada nas escolas como tema transversal. O objetivo deste trabalho foi verificar a percepção e atitudes em relação à Educação Sexual entre professores Indígenas do Ensino Fundamental de uma escola rural do município de Dourados-MS, cujos alunos matriculados são, em sua maioria, indígenas. O trabalho foi desenvolvido entre Julho e Agosto de 2010. Esta escola tem 950 alunos matriculados desde a Educação Infantil até o 9º ano do Ensino Fundamental, e seus discentes e a maioria dos docentes são originários da Aldeia Jaguapirú. As etnias constituintes são Terena, Guarani-Ñandeva e Kaiowá. A coleta de dados foi realizada através de um questionário respondido individualmente pelos docentes indígenas. Os resultados mostram que os professores consideram importante trabalhar a Educação Sexual no Ensino Fundamental envolvendo as diferentes áreas do conhecimento e com auxílio de profissionais da área da saúde. A maior parte dos professores trabalha ou já trabalhou esse tema em suas aulas, e considera os alunos receptivos e interessados; no entanto, alguns professores têm dificuldade em abordar o tema. Uma das dificuldades encontrada está relacionada com a pouca aceitação dos pais, evidenciando a necessidade de orientação dos mesmos sobre o tema. Os Parâmetros Curriculares Nacionais garantem que a Educação Sexual deve começar ainda nos primeiros anos escolares.en_US
dc.language.isoporen_US
dc.publisherUniversidade Federal do Rio Grande do Sulen_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.otherGuarani Kaiowáen_US
dc.subject.otherRegião Centro-Oesteen_US
dc.subject.otherMato Grossoen_US
dc.subject.otherRegião Amazônicaen_US
dc.subject.otherTerenaen_US
dc.subject.otherNhandewaen_US
dc.titleEducação sexual na visão dos professores indígenas do ensino fundamental em uma escola de Douradosen_US
dc.typeArticleen_US
dc.creator.affilliationUniversidade de Brasília. Brasília, DF, Brasilen_US
dc.identifier.doi10.22456/1982-6524.24128-
dc.subject.decsBrasilen_US
dc.subject.decsSaúde de Populações Indígenasen_US
dc.subject.decsÍndios Sul-Americanosen_US
dc.subject.decsEducação Sexualen_US
dc.subject.decsAdolescenteen_US
Appears in Collections:TR - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
277660412.pdf80.27 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.