Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6664
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSecchi, Darci-
dc.contributor.authorBotelho, Micnéias Tatiana de Souza Lacerda-
dc.date.accessioned2022-03-21T12:40:11Z-
dc.date.available2022-03-21T12:40:11Z-
dc.date.issued2013-
dc.identifier.citationBOTELHO, Micnéias Tatiana de Souza Lacerda. A formação do enfermeiro indígena: percepções dos discentes e docentes do curso de graduação – UFMT/SINOP. 2013. 139 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2013en_US
dc.identifier.urihttp://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6664-
dc.description.abstractAs transformações que ocorrem no mundo contemporâneo exigem que as universidades assumam novos desafios e apontem caminhos para atender às demandas sociais. A inclusão de estudantes indígenas nos cursos superiores representa um marco nessa nova relação entre a universidade e o cidadão. O presente trabalho discute o processo formativo de enfermeiros indígenas que integram o Programa de Inclusão Indígena - PROIND/UFMT em Sinop, com foco nas diferentes percepções acerca da sua formação acadêmica. O estudo integra a linha de pesquisa Movimentos Sociais, Política e Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMT que mantém interlocuções com diferentes temáticas educacionais, dentre elas, os movimentos sociais, as relações raciais e as políticas públicas específicas. Ancorada nessa percepção investigativa, a coleta de dados que subsidiou a pesquisa deu-se por meio de entrevistas semiestruturadas que procuraram identificar os elementos constitutivos da formação discente nas seguintes áreas temáticas: o aspecto conceitual da Ciência Enfermagem; a articulação da política institucional e governamental; o currículo do curso; o preparo docente e as práticas pedagógicas; e a interculturalidade. Os dados das entrevistas foram transcritos, agrupados por temáticas e analisados de forma a identificar as percepções dos docentes e estudantes indígenas. Os resultados obtidos indicam que a ciência da Enfermagem é percebida como “a ciência do cuidado voltado para seres humanos; uma ciência abrangente que envolve conhecimento científico, habilidade técnica e profissional.” Ao se referir à política institucional, os entrevistados consideram que a Universidade não está preparada para receber os estudantes indígenas, quer pelas limitações na formação dos docentes, quer pela percepção monoculturalista do currículo do curso que não atende às novas demandas sociais, culturais e profissionais dos povos indígenas da região. A formação docente, quer na graduação quer na pós-graduação, não aborda os múltiplos aspectos da diversidade que necessitariam ser considerados. O convívio intercultural não é pleno e, frequentemente, dificulta o desempenho dos estudantes indígenas. As respostas dos entrevistados indicam que o ‘exílio’ social e cultural intensifica as adversidades e resulta em comportamentos “retraídos”, o que influencia negativamente o seu processo formativo. Para superar esse quadro, os entrevistados apontam algumas medidas a serem tomadas, dentre as quais destacamos: a) que a Universidade forme profissionais com base em princípios educacionais, éticos e políticos que confrontem os valores hegemônicos da sociedade local; b) que os educadores considerem a dinâmica de aprendizagem dos alunos indígenas para auxiliálos no desenvolvimento de suas potencialidades; c) que a presença de indígenas nos cursos de graduação instigue a Universidade a se adequar à realidade atual, a desenvolver projetos pedagógicos abertos para a diversidade; d) que os diferentes programas que compõem as políticas públicas no campo da educação sejam mais bem difundidos e incorporados à comunidade universitária, como estratégia de consolidação, de respeito e atendimento efetivo às crescentes demandas das sociedades indígenas. A inclusão de estudantes indígenas nos cursos superiores supõe o repensar, o reinventar da relação entre o sistema educacional e o educando, pois já não são apenas os estudantes que precisam se preparar para a Universidade, ela também precisa se preparar para atender as demandas sociais e sua missão institucional.en_US
dc.language.isoporen_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.otherEnfermeiro Indígenaen_US
dc.titleA formação do enfermeiro indígena: percepções dos discentes e docentes do curso de graduação – UFMT/SINOPen_US
dc.typeDissertationen_US
dc.creator.affilliationUniversidade Federal do Mato Grosso. Cuiabá, MT, Brasilen_US
dc.degree.grantorUniversidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educaçãoen_US
dc.degree.date2013-
dc.degree.localCuiabá/MTen_US
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Educaçãoen_US
dc.subject.decsBrasilen_US
dc.subject.decsSaúde de Populações Indígenasen_US
dc.subject.decsÍndios Sul-Americanosen_US
dc.subject.decsCompetência Culturalen_US
dc.subject.decsEducação Superioren_US
dc.subject.decsCapacitação de Recursos Humanos em Saúdeen_US
dc.subject.decsEducação em Saúdeen_US
dc.subject.decsEnfermeiras e Enfermeirosen_US
dc.subject.enBrazilen_US
dc.subject.enHealth of Indigenous Peoplesen_US
dc.subject.enIndians, South Americanen_US
Appears in Collections:TR - Dissertações de Mestrado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.