Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6670
Título: Processo social e doença. Tuberculose em grupos indígenas brasileiros
Orientador: Moraes, Nelson de Araújo
Autor(es): Costa, Dina Czeresnia
Afiliação: Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Resumo: O trabalho objetiva estudar “o padrão da tuberculose em grupos indígenas brasileiros entre os anos de 1965 e 1980. Algumas questões são ressaltadas nesse sentido: 1) A análise do processo saúde-doença em sociedades tribais; 2) a compreensão das relações de contato entre a população indígena e as sociedades nacionais em processo de expansão colonial e capitalista, destacando essas relações no âmbito da sociedade brasileira; 3) a avaliação do papel que os serviços de saúde podem assumir na proteção à saúde dos grupos indígenas. A motivação para o desenvolvimento desse trabalho originou-se no contato que mantive no âmbito da Campanha Nacional contra a Tuberculose, do Ministério da Saúde, com a Unidade de Atendimento Especial (UAE), que presta assistência e controle da tuberculose aos grupos indígenas desde os anos 50. A história da UAE compõe um capítulo da relação entre a sociedade nacional e os povos indígenas. Remete ao trabalho de Noel Nutels, um dos pioneiros na defesa de uma política de saúde voltada para esses grupos. Esse estudo buscou sistematizar e refletir sobre o trabalho desenvolvido pelos componentes da UAE, principalmente em relação ao padrão da tuberculose e ao papel do serviço de saúde entre os povos indígenas. Esse esforço de análise foi, sem dúvida, grandemente favorecido pelo cuidado que tiveram esses profissionais em arquivar valiosas informações da epidemiologia e do cuidado à tuberculose a partir da década de 60. Entendo que é de enorme relevância para os estudos médicosociais a análise da questão da saúde e dos dados sobre a dinâmica da tuberculose nos grupos tribais. Especialmente quando presencia-se um agravamento das condições de sobrevivência dos povos indígenas face à brutal expansão da sociedade capitalista para a fronteira oeste e região amazônica. Este estudo não tem, assim, apenas a intenção de ter uma compreensão isenta e neutra da dinâmica epidemiológica da tuberculose entre os grupos indígenas. A grave ameaça a que estão expostos exige que seja destacada a possibilidade de intervenção efetiva que se contraponha ao processo de extermínio. Cabe, inclusive, aos profissionais de saúde coletiva, uma intervenção eficaz no plano político e prático na defesa de programas de saúde que favoreçam a preservação cultural e física desses povos.
Palavras-chave em inglês: Brazil
Health of Indigenous Peoples
Indians, South American
Palavras-chave: Doenças infecto-contagiosas
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
Tuberculose
Data do documento: 1986
Referência: COSTA, Dina Czeresnia. Processo social e doença. Tuberculose em grupos indígenas Brasileiros. 1986. 115 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1986
Data de defesa: 1986
Local de defesa: Rio de Janeiro, RJ
Instituição de defesa: Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Socia
Programa: Programa de Pós-Graduação
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:DIP - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Processo social e doença. Tuberculose em grupos indígenas brasileiros30.03 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.