Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6707
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBruno, Marilda Moraes Garcia-
dc.contributor.authorCoelho, Luciana Lopes-
dc.date.accessioned2022-03-28T14:59:44Z-
dc.date.available2022-03-28T14:59:44Z-
dc.date.issued2019-
dc.identifier.citationCOELHO, Luciana Lopes. A Educação escolar de indígenas surdos Guarani e Kaiowá: Discursos e práticas de inclusão. 2019. 155 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2019en_US
dc.identifier.urihttp://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6707-
dc.description.abstractO atendimento escolar de estudantes surdos está em processo de constituição nas escolas localizadas em terras indígenas do Mato Grosso do Sul (MS). Nessas escolas, a valorização da língua e da cultura dos povos Guarani e Kaiowá tem sido central na luta por uma escolarização diferente. O estudo nesse contexto teve como objetivo investigar os discursos que circulam sobre as diferenças. Os objetivos específicos foram: a) Mapear os discursos/enunciados dos profissionais da educação indígena sobre a escola e a constituição de uma educação escolar diferenciada nas comunidades indígenas; b) Analisar os discursos que circulam nas comunidades pesquisadas sobre as diferenças dos sujeitos surdos; c) Problematizar as experiências de ensino de alunos surdos e estratégias linguísticas e didáticas utilizadas a partir das práticas narradas pelos professores; d) Analisar as relações de saber e poder envolvidas na invenção de uma educação inclusiva na escola diferenciada indígena. A fundamentação teórico-metodológica aborda os pressupostos da teoria pós-crítica, com a discussão dos resultados a partir das ferramentas conceituais resistência, educação menor e hospitalidade linguística propostas pelos autores Michel Foucault, Gilles Deleuze, Silvio Gallo e Paul Ricoeur. O estudo foi realizado em seis escolas localizadas nas terras indígenas Amambai, Limão Verde, Taquaperi e Takuaraty/Yvykuarasu (Paraguassu) no sul do MS. Participaram do estudo gestores da educação municipal, diretores escolares, coordenadores pedagógicos das escolas, professores e uma estudante. Foram utilizados procedimentos da etnografia pós-crítica tais como: entrevistas observações das interações e dos recursos pedagógicos, diálogos com sujeitos da escola, análise documental e registros fotográficos, os quais serviram de elementos para a análise dos discursos. Os resultados indicam que, apesar da proposta pedagógica das escolas visitadas ser o ensino do guarani e do kaiowá como língua de instrução e o ensino do português como segunda língua, para os estudantes surdos, o ensino tem priorizado a alfabetização em língua portuguesa, que é a língua majoritária dos materiais didáticos, e da Língua Brasileira de Sinais - Libras, quando existem profissionais habilitados. O estudo problematiza que o modelo educacional proposto para as escolas indígenas brasileiras baseados no ensino da língua materna indígena como primeira língua e da língua hegemônica como segunda língua não se aplica aos estudantes surdos. As estratégias de ensino que estão sendo utilizadas invisibilizam as línguas de sinais e as diferenças culturais dos estudantes indígenas surdos e não contribuem para a manutenção e valorização das línguas maternas nas comunidades indígenas.en_US
dc.language.isoporen_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.otherGuarani Kaiowáen_US
dc.titleA Educação escolar de indígenas surdos Guarani e Kaiowá: Discursos e práticas de inclusãoen_US
dc.typeThesisen_US
dc.creator.affilliationUniversidade Federal da Grande Dourados. Programa de Pós Graduação em Educação. Dourados, MS, Brasilen_US
dc.degree.grantorUniversidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Educaçãoen_US
dc.degree.date2019-03-08-
dc.degree.localDourados/MSen_US
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Educaçãoen_US
dc.description.abstractenThe school attendance for deaf students is in process of being constituted in the schools located in the indigenous lands of Mato Grosso do Sul (MS). In these schools the valorization of Guarani and Kaiowá peoples‘ language and culture has been central in the struggle for a different schooling. In such context the objective of this study is to investigate the discourses about differences that circulate in the schools. The specific objectives were: a) To map the discourses / statements of indigenous education professionals about school and the constitution of a differentiated school education among the indigenous communities; b) To analyze the discourses that circulate in the communities surveyed about the deaf subjects‘ differences; c) To question the teaching experiences for deaf students and linguistic and didactic strategies employed, starting from the practices described by the teachers; d) To analyze the knowledge and power relations involved in the invention of an inclusive education in the differentiated indigenous school. The theoretical-methodological approach is based on the post-critical theory, and the results are discussed using such tools resistance, minor education, and linguistic hospitality proposed by the authors Michel Foucault, Gilles Deleuze, Silvio Gallo and Paul Ricoeur. The study was carried out in six schools located in the indigenous lands of Amambai, Limão Verde, Taquaperi and Takuaraty / Yvykuarasu (Paraguassu) in the south of the Mato Grosso do Sul state. Participants in the study were municipal education managers, school directors, school pedagogical coordinators, teachers and a student. Procedures of post-critical ethnography were used such as interviews, observations of interactions and pedagogical resources, dialogues with school subjects, documentary analysis and photographic records, which served as stuff for discourse analysis. The results indicate that, although the pedagogical proposal of the schools visited is the teaching of Guarani and Kaiowá language as the language for instruction and teaching of Portuguese as a second language for indigenous people, for deaf students education has prioritized Portuguese language literacy, which is the majority language use in the teaching materials, and the Brazilian Language of Sign (Libras) in case there are qualified professionals. The study proposes that the educational model adopted for Brazilian indigenous schools (based on teaching of the native mother language as first language and the hegemonic language as a second language) does not apply to deaf students. The chosen teaching strategies make the sign languages and the cultural differences of deaf indigenous students invisible and do not contribute to the maintenance and enhancement of the mother languages in indigenous communitiesen_US
dc.subject.decsBrasilen_US
dc.subject.decsSaúde de Populações Indígenasen_US
dc.subject.decsÍndios Sul-Americanosen_US
dc.subject.decsEducação Inclusivaen_US
dc.subject.decsPessoas com Deficiência Auditivaen_US
dc.subject.enBrazilen_US
dc.subject.enHealth of Indigenous Peoplesen_US
dc.subject.enIndians, South Americanen_US
dc.subject.enMainstreaming, Educationen_US
dc.subject.enPersons With Hearing Impairmentsen_US
Appears in Collections:TR - Teses de Doutorado



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.