Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/6730
Título: Indígenas do Estado do Rio de Janeiro segundo os Censos Demográficos 2000 e 2010: perfil populacional, distribuição espacial e características do domicílio Rio de Janeiro
Orientador: Santos, Ricardo Ventura
Autor(es): Cunha, Barbara Coelho Barbosa da
Coorientador: Almeida, Andréa Sobral
Afiliação: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Resumo: Em escala global, os indígenas, de maneira geral, constituem um segmento populacional vulnerável, apresentando indicadores sociodemográfico, econômico e de saúde piores do que o restante da população. Um fenômeno já observado em outros países diz repeito ao aumento de indígenas residentes em áreas urbanas, especialmente em áreas periféricas. Os censos realizados no Brasil ao longo das três últimas décadas evidenciaram que entre 40% e 50% dos indígenas residiam em áreas urbanas. Com o objetivo de caracterizar a população indígena do Estado do Rio de Janeiro e da área urbana da sua região metropolitana buscou-se através de indicadores sociodemográficos e econômicos, verificar sua distribuição espacial e as características do domicílio (saneamento e entorno), com base nos dados dos Censos Demográficos 2000 e 2010. Esta tese encontra-se estruturada no formato artigos. O primeiro, que compara os Censos 2000 e 2010, evidenciou que a maioria dos indígenas do Estado residia, em ambos os censos, em área urbana e na mesorregião Metropolitana do Rio de Janeiro. Contudo, as respostas positivas para as perguntas sobre língua indígena falada no domicílio e etnia (Censo 2010) se mostraram mais pronunciadas na área rural. Foram identificadas ainda mudanças nos indicadores referentes à renda, composição etária e tipo do setor de residência. O segundo artigo explorou dados de 2010 através de análises espaciais com foco nos setores censitários urbanos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Verificou-se que os indígenas residiam majoritariamente nas zonas Sul e Centro do município do Rio de Janeiro, aproximando-se mais do padrão de distribuição espacial da população branca. Foi constatado também que na maioria dos setores (75%) não havia indígenas e que em 20% daqueles com indígenas havia um único residente indígena. A composição etária dos indígenas por sexo diferiu das demais categorias de cor ou raça. Finalmente, o último artigo abordou as condições socioeconômicas e de presença de saneamento e do entorno do domicílio na área urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro a partir dos dados de 2010. Os resultados revelaram diferenças marcantes entre os indicadores a depender do município. A variável mais frequente foi “lixo acumulado no logradouro”. Observou-se que, tal como evidenciado na literatura, os brancos residiam em locais com melhores condições socioeconômicas, de saneamento e do entorno, e os pretos e pardos nos menos satisfatórios. Para indígenas, em alguns recortes analisados o padrão se mostrou mais próximo daquele da população branca. Em conclusão, a tese apresenta uma detalhada caracterização dos indígenas captados nos Censos de 2000 e 2010 no Estado e na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, a partir de diferentes indicadores e recortes geográficos explorados, apontando para a ocorrência de desigualdades socioeconômicas e espaciais cuja interpretação requer nuançadas perspectivas que levem em consideração aspectos sóciohistóricos e demográficos
Resumo em inglês: On a global scale, indigenous people, in general, constitute a vulnerable population segment, presenting worse socio-demographic, economic and health indicators than the rest of the population. A phenomenon already observed in other countries concerns the increase of indigenous residents in urban areas, especially in peripheral areas. The censuses conducted in Brazil over the past three decades have shown that between 40% and 50% of indigenous people lived in urban areas. In order to characterize the indigenous population of the State of Rio de Janeiro and the urban area of its metropolitan region, we sought through socio-demographic and economic indicators, to verify their spatial distribution and household characteristics (sanitation and surroundings), based on data from the 2000 and 2010 Demographic Census. This thesis is composed of three papers. The first, which compares the 2000 and 2010 Census, shows that the majority of the state's indigenous people resided in both censuses in urban areas and in the metropolitan mesoregion of Rio de Janeiro. However, positive answers to questions about indigenous language spoken at home and ethnicity (Census 2010) were more pronounced in the rural area. Changes were also identified in the indicators related to income, age composition and type of residence sector. The second paper explores data from 2010 through spatial analysis focusing on urban census tracts in the Rio de Janeiro´s Metropolitan Region. It was found that the indigenous people lived mostly in the South and Center of Rio de Janeiro, closer to the pattern of spatial distribution of the white population. It was also found that in most sectors (75%) there were no indigenous and that in 20% of those with indigenous there was a single indigenous resident. The age composition of the indugenous by gender differed from the other categories of color or race. Finally, the third paper addresses the socioeconomic conditions and the presence of sanitation and the surroundings of the household in the urban area of the Rio de Janeiro Metropolitan Region from the 2010´s data. The results revealed striking differences between the indicators depending on the municipality. The most frequent variable was “garbage accumulated in the street”. It was observed that, as evidenced in the literature, whites lived in places with better socioeconomic, sanitation and surrounding conditions, and blacks and browns in less satisfactory ones. For indigenous people, in some analyzed sections, the pattern was closer to that of the white population. In conclusion, the thesis presents a detailed characterization of the indigenous captured in the 2000 and 2010 Census in the State and in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro, from different explored geographical indicators and clippings, pointing to the occurrence of socioeconomic and spatial inequalities whose interpretation requires nuanced perspectives that take into account socio-historical and demographic aspects
Palavras-chave em inglês: Brazil
Health of Indigenous Peoples
Indians, South American
Censuses
Residence Characteristics
Urban Population
Palavras-chave: Região Sudeste
Indígenas em Contexto Urbano
Rio de Janeiro
Área Urbana
DeCS: Brasil
Saúde de Populações Indígenas
Índios Sul-Americanos
Demografia
Censos
Características de Residência
População Urbana
Fatores Socioeconómicos
Data do documento: 2019
Referência: CUNHA, Barbara Coelho Barbosa da. Indígenas do Estado do Rio de Janeiro segundo os Censos Demográficos 2000 e 2010: perfil populacional, distribuição espacial e características do domicílio Rio de Janeiro. 2019. 150 f. Tese (Doutorado) - Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, 2019
Data de defesa: 2019
Local de defesa: Rio de Janeiro, RJ
Instituição de defesa: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca
Programa: Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública
Direito autoral: open access
Aparece nas coleções:DCS - Teses de Doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
112134605.pdf4.9 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


O uso do material disponibilizado neste repositório deve ser feito de acordo e dentro dos limites autorizados pelos Termos de Uso.