Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/891
Title: Análise molecular de variantes de grupos sanguíneos em populações indígenas
Advisor: Fieggenbaum, Marilu
Authors: Rodrigues, Mirelen Moura de Oliveira
Co-advisor: Almeida, Silvana de
Abstract: A frequência dos alelos de grupos sanguíneos é diferente de acordo com a origem étnica da população, o que torna importante a determinação da variabilidade desses alelos em tribos indígenas. Devido as características culturais, que, por vezes, podem ser somadas a localização geográfica de difícil acesso, o isolamento, endocruzamentos e efeito do fundador podem propiciar o aumento da frequência de genótipos que são raros nas demais populações. Esta condição tem impacto direto na prática transfusional, visto que estes genótipos raros não são comuns na população de doadores de sangue. Com a finalidade de gerar conhecimento sobre a variabilidade genética dos grupos sanguíneos que apresentam grande impacto na prática transfusional, este estudo teve como objetivos determinar a variabilidade de genes relacionados aos grupos sanguíneos Diego, Kell, Duffy, Kidd e MNS, em indivíduos de tribos indígenas Kaingang e Guarani do Sul e Centro-Oeste do Brasil, comparando com dados de outras tribos Kaingang e Guarani, com o banco de dados 1000 genomas e com doadores de sangue de diferentes regiões brasileiras. Este estudo foi realizado em 306 amostras de tribos Kaingang (n= 72) e Guarani (n= 234) coletadas no período entre 1975 – 2000. A análise das variantes genéticas de grupos sanguíneos foi realizada utilizando a técnica de PCR em tempo real, com sondas de hidrólise do sistema TaqMan® (Thermo Fisher) para o sistema Diego c.2561C>T (DI*01/*02, rs2285644), Kell c.578 C>T (KEL*01/*02, rs8176058), Duffy c.125 A>G e c.1-67T>C (FY*01/*02, rs12075; FY*02N.01, rs2814778), Kidd c.838G>A (JK*01/*02, rs1058396) e MNS c.143T>C (GYPB*S/GYPB*s, rs7683365). As frequências alélicas foram comparadas utilizando o teste de Qui-quadrado com correção de Yates. Todas as frequências genotípicas estão de acordo com o esperado para populações em equilíbrio de Hardy-Weinberg. Foram observadas diferenças significativas para os alelos DI*01 e FY*01 quando comparadas com amostras de Kaingang e Guarani coletadas no período de 1950-1960, bem como para todos os alelos analisados quando comparados os dados de genotipagem de doadores de sangue brasileiros (Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e região do Norte do Brasil), com exceção da amostra de doadores de sangue descendentes de Japoneses, principalmente para a tribo Guarani. De acordo com os resultados obtidos através da análise de FST, com intervalo de confiança de 95%, a diferenciação genética foi maior entre as populações de Kaingang e Africanos (FST = 0,168) e de Guarani e Africanos (FST = 0,190) do que com as outras populações avaliadas pelo Projeto 1000 Genomas (Americanos, Europeus e Asiáticos). Dessa forma, embora não exista grande diferenciação genética, para as variantes analisadas, entre os ameríndios do presente estudo quando comparados com populações de Europeus, Asiáticos e Americanos, as diferenças de frequências alélicas e genotípicas entre as populações indígenas e de doadores de sangue devem ser consideradas. Isso porque estas diferenças podem impactar na prática transfusional, levando a aloimunização de indígenas que necessitem de transfusão sanguínea e, também, na dificuldade de encontrar doadores de sangue compatíveis com um receptor de hemocomponentes indígena. Com base nos dados gerados pelo presente estudo, há evidências que haverá um aumento de probabilidade de se encontrar um doador de sangue compatível para transfusão sanguínea em pacientes Ameríndios entre os doadores de sangue descendentes de asiáticos.
Keywords: Brasil
Índios Sul-Americanos
Saúde de Populações Indígenas
Guarani
Kaingang
Kaingang
DeCS: Brasil
Índios Sul-Americanos
Saúde de Populações Indígenas
Grupos Sanguíneos
Fatores Biológicos
Issue Date: 2018
Citation: RODRIGUES, Mirelen Moura de Oliveira. Análise molecular de variantes de grupos sanguíneos em populações indígenas. 2018. 74 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, 2018
Place of defense: Porto Alegre/RS
Defense institution: Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
Copyright: closed access
Appears in Collections:GH - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação de mestrado Mirelen Rodrigues_ oficial - parcial.pd.pdf19.78 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.