Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/977
Title: Tuberculose em indígenas da Amazônia brasileira: estudo epidemiológico na região do Alto Rio Negro
Authors: Rios, Diana Patrícia Giraldo
Malacarne, Jocieli
Alves, Luiz Carlos Corrêa
Sant'Anna, Clemax Couto
Camacho, Luiz Antonio Bastos
Basta, Paulo Cesar
Affilliation: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ. Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Abstract: Objetivo. Descrever as características sociodemográficas e clínico-epidemiológicas dos casos de tuberculose notificados na população indígena do Município de São Gabriel de Cachoeira, Estado do Amazonas, Brasil, e identificar fatores associados ao óbito durante o tratamento; e estimar a prevalência de infecção latente por tuberculose (ILTB) e fatores associados e obter informações sobre o itinerário terapêutico e a percepção acerca do adoecimento dos indígenas do Distrito de Iauaretê. Métodos. Primeiramente, realizou-se um estudo epidemiológico retrospectivo (1997 a 2007) com base nos dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Posteriormente, realizou-se um estudo transversal (2010) em sintomáticos respiratórios e contatos no Distrito Indígena de Iauaretê. Resultados. Registraram-se 723 casos novos, com incidência de 273,4/100 000 e mortalidade de 13,2/100 000. Houve predomínio em homens (57%), idade > 45 anos (37,6%), pessoas sem escolaridade (42,7%) e na área rural (76,9%). Doentes de 0 a 20 anos apresentaram menor chance de óbito quando comparados à idade ≥ 45 anos (OR = 0,3; IC95%: 0,1 a 0,9). Em Iauaretê, que concentrou 15,3% das notificações, foram entrevistados 184 indígenas. Revelou-se prevalência de ILTB de 76,1%. Prova tuberculínica ≥ 5 mm associou-se com idade ≥ 15 anos, história de tuberculose ativa e alterações radiológicas. Tuberculose anterior foi citada por 54 indígenas (29,3%). A principal explicação para o adoecimento foi sopro/envenenamento (24,1%). O itinerário terapêutico incluiu medicamentos industrializados (42,6%), plantas medicinais/ raízes, pajelança/xamanismo e reza (42,7%). Conclusões. A prevalência de infecção tuberculosa e doença ativa nessa população foi elevada. As estratégias de controle tiveram resultados positivos, com redução na incidência em tempos recentes. Entretanto, para controlar a tuberculose é necessário intensificar a vigilância dos contatos e aperfeiçoar as estratégias de comunicação das equipes com a população indígena.
Keywords: Amazonas
Brasil
Índios Sul-Americanos
Região Norte
DSEI Alto Rio Negro
Região Amazônica
Epidemiologia
Alto Rio Negro
Tuberculose
Morbidade
Saúde de populações Indígenas
Estudos Epidemiológicos
Doenças Infecciosas e Parasitárias
Sistemas de Informação em Saúde
Condições Socioeconômicas
Teste Tuberculínico
Issue Date: 2013
Publisher: Organização Pan-Americana da Saúde
Citation: RIOS, Diana Patrícia Giraldo; MALACARNE, Jocieli; ALVES, Luiz Carlos Corrêa; SANT'ANNA, Clemax Couto; CAMACHO, Luiz Antonio Bastos; BASTA, Paulo Cesar. Tuberculose em indígenas da Amazônia brasileira: estudo epidemiológico na região do Alto Rio Negro. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 33, n. 1, p. 22-29, 2013.
ISSN: 1680-5348
Copyright: open access
Appears in Collections:DIP - Artigos de Periódicos
EPI - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
358797680.pdf187.59 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.