Please use this identifier to cite or link to this item: http://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/992
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorDiehl, Eliana Elisabeth-
dc.date.accessioned2019-09-06T11:45:09Z-
dc.date.available2019-09-06T11:45:09Z-
dc.date.issued2001-
dc.identifier.citationDIEHL, Eliana Elisabeh. Agravos na saúde Kaingáng (Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina) e a estrutura dos serviços de atenção biomédica. Cadernos de Saúde Pública, v. 17, n. 2, p. 439-445, 2001.en_US
dc.identifier.issn0102-311X-
dc.identifier.urihttp://ds.saudeindigena.icict.fiocruz.br/handle/bvs/992-
dc.description.abstractsegundo semestre de 1999 foi caracterizado como um período transitório para a montagem do Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul na Terra Indígena Xapecó, oeste do Estado de Santa Catarina. No Posto de Saúde da aldeia Sede prestavam atendimento um clínico geral/obstetra e um pediatra, um dentista, uma enfermeira, dois auxiliares de enfermagem e quatro atendentes de enfermagem. Aqui são apresentados os resultados preliminares de um estudo voltado para descrever, entre outros aspectos, a organização dos serviços de saúde, seu uso pela comunidade e o perfil saúde/doença dos Kaingáng, investigado pela análise de prontuários. No mês de setembro de 1999, foram atendidos 222 índios (crianças e adultos), sendo 50,5% residentes na aldeia Sede. Entre os índios de 0 a 14 anos, as doenças infecto-parasitárias foram as mais recorrentes, fortalecendo a idéia de que os Kaingáng vivem em condições precárias de saneamento e alimentação. A procura do serviço pelos adultos, por sua vez, reflete uma certa complexidade, já que das 116 pessoas atendidas, 27 eram gestantes, em um total de 86 mulheres. Além disso, foram emitidas prescrições para as crianças e para os adultos em 85% e 81,8% dos atendimentos, respectivamenteen_US
dc.language.isopor-
dc.publisherFundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Públicaen_US
dc.rightsopen accessen_US
dc.subject.otherSaúde de Populações Indígenas-
dc.subject.otherServiços de Saúde do Indígena-
dc.subject.otherÍndios Sul-Americanos-
dc.subject.otherClassificação Internacional de Doenças-
dc.subject.otherPerfil de Saúde-
dc.subject.otherInstituições de Saúde, Recursos Humanos e Serviços-
dc.subject.otherPolítica Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas-
dc.subject.otherRegistros Médicos-
dc.subject.otherSistemas Locais de Saúde-
dc.subject.otherMorbidade-
dc.subject.otherBrasilen_US
dc.subject.otherDSEI Interior Sulen_US
dc.subject.otherRegião Sulen_US
dc.subject.otherSanta Catarinaen_US
dc.subject.otherKaingangen_US
dc.subject.otherKaingángen_US
dc.titleAgravos na saúde Kaingáng (Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina) e a estrutura dos serviços de atenção biomédicaen_US
dc.typeArticleen_US
dc.creator.affilliationUniversidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Ciências Farmacêuticas, Florianópolis, SC, Brasil.en_US
dc.description.abstractenThe second semester of 1999 was a transition period for the implementation of the Special Indigenous Health District on the Xapecó Indigenous Reserve in western Santa Catarina State. The health clinic in the main village provided treatment with a staff including a general practitioner/obstetrician, pediatrician, dentist, nurse, two nursing assistants, and four nursing technicians. This paper presents the preliminary results of research on the organization of these health care services, their use by the community, and the health/disease profile of the Kaingáng, using patient files as the source of information. In September 1999, a total of 222 Indians were treated (children and adults), 50.5% of whom residing in the main village. Among the Indians ages 0 to 14 years, infectious and parasitic diseases were the most frequent, supporting the idea that the Kaingáng have precarious sanitary and nutritional conditions. Use of the clinic by adults was more varied, since of the 116 who appeared for consultation, 27 were pregnant women (out of a total of 86 women). In addition, prescriptions were written up for children and adults in 85.0% and 81.8% of the consultations, respectively.en_US
dc.identifier.doi10.1590/S0102-311X2001000200019-
Appears in Collections:PSSI - Artigos de Periódicos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
815422037.pdf64.86 kBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.